sexta-feira, 27 de novembro de 2009

Claudio Santoro: transitoriedades e permanências

Universidade de Brasília organiza o evento
“Claudio Santoro: transitoriedades e permanências”
na Biblioteca Central entre os dias 24 de novembro a 7 de dezembro de 2009


Nos próximos dias 24 de novembro a 7 de dezembro a Biblioteca Central da Universidade de Brasília, em colaboração com o Programa de Pós-Graduação Música em Contexto, e o Arquivo Claudio Santoro da UnB, sediará o evento “Claudio Santoro: transitoriedades e permanências”. O evento marcará os 20 anos de morte e 90 anos do nascimento de Claudio Santoro, um dos mais paradigmáticos compositores brasileiros, e focando a sua trajetória em Brasília. O evento propõe discutir o seu papel na construção de uma identidade cultural da capital federal em dois períodos - 1962-1965 e 1979-1989, e sobre dois planos de sua atuação em Brasília, na Universidade de Brasília, na implantação do seu Departamento de Música, e como Maestro da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional Claudio Santoro, junto à qual veio a falecer em 27 de março de 1989.

A Exposição conta com a participação da Casa da Cultura da América Latina – DEX – UnB e tem a curadoria de Beatriz Magalhães Castro. Esta reunirá documentação inédita do Arquivo Claudio Santoro da Universidade de Brasília e de arquivos pessoais e/ou institucionais, que incluem materiais de imprensa, gravações inéditas em áudio e vídeo registradas entre 1987 e 1988, depoimentos de colegas, assessores e ex-alunos como Ney Salgado, Gisele Santoro, Elena Herrera, Neusa França, Mirian Silva Gomes, e Dora Galesso num vídeo especialmente realizado para o evento sob a Direção de Valdir de Pina (Studio 13).

O Concerto Inaugural será realizado no dia 24 de novembro, às 19h, na BCE, e contará com a participação da Orquestra de Cordas da UnB, Ney Salgado e Valeska Hadelich, Beatriz Magalhães Castro e participação especial de Neusa França, executando obras de Santoro. Dentre estas se encontra a Introdução e Allegro para Orquestra de Cordas, a partir de cópia recentemente identificada em Londres, constituindo-se na segunda obra resgatada a partir das ações musicológicas do Arquivo Claudio Santoro da Universidade de Brasília. Anteriormente, a Sonata para Viola e Piano, considerada desaparecida pelos herdeiros responsáveis pelo patrimônio arquivístico-musical de Claudio Santoro, foi identificada e executada pelo violista Sávio Santoro e a pianista brasiliense hoje radicada nos Estados Unidos Monica Godoy Tessitore, durante o XVI Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música (ANPPOM) realizado na UnB em agosto de 2006.

Ainda como testemunho de sua colaboração junto à Universidade de Brasília, será publicado o Projeto original inédito de criação da “Faculdade de Música” da Universidade de Brasília apresentado a Darcy Ribeiro em 1962, no qual Santoro expõe o que considerava necessário para a plena estruturação e desenvolvimento de um Departamento de Música, questões que ainda permanecem sem consecução.

Como forma de aprofundar as discussões sobre políticas públicas no acesso à cultura e da propriedade intelectual no âmbito das ações do Estado e da gestão arquivística, será ainda realizado, no dia 30 de novembro, às 9h30 no Auditório da Reitoria, o 1º Simpósio “Arte e Propriedade Intelectual”. Este contará com a participação do Dr. Denis Borges Barbosa (UERJ), Dr. Davi Monteiro Diniz (UnB-PJU), Dr. Estevão Chaves de Rezende Martins (UnB), Dra. Georgete Medleg (UnB-FACE), Dr. André Guerra Cotta (UFMG-Arquivo Curt Lange) e da Dra. Beatriz Magalhães Castro (UnB-Arquivo Claudio Santoro).

O evento será gravado e transmitido pela UnB-TV. O evento é gratuito e suas publicações também serão disponibilizadas gratuitamente; contará ainda com uma exposição virtual permanente no sítio web da Biblioteca Central. Este evento tem o apoio da SECT / FAP-DF e da Universidade de Brasília.


Orquestra de Cordas da UnB

A Orquestra de Cordas da UnB é formada por alunos do Departamento de Música, por meio da Prática de Conjunto, e músicos inscritos na atividade de extensão da Universidade. Com intensa agenda de concertos, os jovens músicos tem tido a oportunidade de se apresentar com professores e solistas de outros países. Na Alemanha, realizou concertos em Karlsruhe pela Copa Cultural. O trabalho da Orquestra tem como objetivo o desenvolvimento da técnica instrumental, a capacidade de atuar em grupo, o estímulo à liderança e as atividades solísticas. A orientação do grupo está a cargo da professora Glësse Collet.
Glêsse Collet - A regente Glësse Collet é bacharel em violino e licenciada em música pela Universidade de Brasília. Estudou na Escola Superior de Música de Detmold (Alemanha) e é doutora em viola pela Universidade Federal da Bahia. É professora de viola do Departamento de Música da Universidade de Brasília e fundadora do Quarteto de Brasília, com o qual percorreu diversos países das Américas, Europa e Ásia. Atuou como professora de viola da Escola de Música de Brasília e foi spalla das violas da Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional de Brasília.

Formação da Orquestra:
1º Violino - Pedro Oséias, Drime Ribeiro
2º Violino - Marcus Moreno, Lucas Almeida
Violas - Antônio Fábio, Roberto
Violoncelos - Esther Fietz, Aline Gadelha
Contrabaixo – Juliano Leitte

terça-feira, 24 de novembro de 2009

Próximo festival de bass em New Hempshire terá representantes brasileiros



Eu sempre falo que nosso melhor produto de exportação é a nossa boa música. Não tem nada parecido no mundo, tantas informações, culturas, raízes, misturas que fazem da música brasileira a melhor música do mundo.
Muita gente não concorda e n
ão é raro eu ganhar de presente DVDs de medalhões do JAZZ mundial, com o comentário do tipo... "eles estão num nível bem acima..."

Genteeee, não é nada disso que estou falando...

Quando decidi levantar a bandeira da música instrumental popular brasileira há uns anos atrás e trabalhar por ela, eu tinha plena convicção do seu potencial. Eu não estou falando de nível técnico. Mesmo porque, estes caras que teoricamente "estão num nível acima", não enfrentam a realidade que vivemos no Brasil. Eles dispõe principalmen
te de tempo pra estudar e são mais bem pagos do que os músicos daqui. O que não os obriga a fazer gigs toda noite de um som que não é o deles, dar uma carga enorme de aulas, etc.

Minha intenção hoje aqui não é discutir a situação de nossa música instrumental. O motivo dessa introdução, é só pra dizer e afirmar que temos sim a melhor música do mundo. E isso ninguém pode nos tirar.
O povo brasileiro é musical por natureza e o que conseguimos transformar de nossa diversidade cultural em música é imbatível... E quem consegue não perder a brasilidade e a qualidade musical encanta os palcos do mundo inteiro.

Na semana passada, tivemos um festival de baixo em São Luis - MA - os nossos festivais de baixo, acabam sendo festivais de música instrumental com o baixo na linha de frente - e nesta última edição, como eu disse aqui, vieram três professores americanos, sendo um deles o responsável pela cadeira de baixo na Berklee, dar aulas e fazer apresentações no festival. Tenho certeza que muitos de vocês querem saber o resultado disso.

Em primeiro lugar, e isso pra mim é o mais importante, demos uma aula pra eles de musicalidade, respeito, hospitalidade, amizade, amor a música e ao contrabaixo.
Digo isso, porque, em uma de minhas conversas com o Jim(o professor da Berklee), ele mesmo disse que não esperava muito de nossos músicos... ele ainda disse... "talvez por arrogância, talvez por ignorância... mas o que vi aqui, mudou totalmente meu conceito."
E falava, falava, falava sem parar... elogiava tudo e também o quanto ficou impressionado com o público de um festival de baixo... mas isso até eu fiquei... 1600 pessoas... é mesmo de impressionar... mas isso a gente guarda pra nós... não precisamos falar com eles...


Depois disso, a consequencia inevitável... o convite para alguns dos baixistas presentes no festival de São Luis, ir pra New Hempshire em junho de 2010, participar do festival deles... yeeeehhh... uhuuuul...
é nóis... aos poucos ganhando espaço, e tendo a chance de mostrar pro mundo o poder de nosso contrabaixo.
Ficaram curiosos pra saber quem são os escolhidos??? Isso eu deixo pra outra hora...
só digo uma coisa... os dois baixistas que mais impressionaram os gringos, são absolutamente brazucas... têm a musicalidade extremamente brasileira... os estilos são bem diferentes... o que faz a coisa ficar mais interessante... pois demosntra mais nosso amplo cardápio musical... e ambos certamente irão representar bem o Brasil e ajudar a confirmar esta afirmação... nossa música é a melhor do mundo!!!


saudações baixisticas... brazilians musicians rules...

domingo, 22 de novembro de 2009

Ebinho Cardoso no Festival Baixo Brasil em São Luis - MA

geeenteee... a apresentação do Ebinho Cardoso no festival em São Luis foi como sempre mágica... isso porque ele tem um talento raro de transformar sua alma em música... o que ele faz no palco é exatamente o retrato de sua alma... e essa verdade cria uma empatia inexplicável com o público... sintam um pouco dessa energia no vídeo abaixo. São momentos finais do show do Ebinho durante o Festival Baixo Brasil São Luis ... sensacional... como sempre... de arrepiar...


eu sou super suspeita pra falar do Ebinho... pois além de ser produtora dele, sou super amiga de longos anos... de muito antes dele ser o "Ebinho Cardoso" que ele é agora... por isso, estou colocando aqui alguns comentários que li sobre este show dele em São Luis no youtube:


marlonhenrique

Estava fotografando o evento e vi esse cara de perto... Na minha opinião o melhor musico do evento ! ... sua apresentação deixou todo mundo emocionado ... vi gente chorar ...
show de mais ... perfeito ... parabens !


Duducabass

O som mais envolvente de contrabaixo que ja escutei...
mto boM!!!!!!!


allenporto
Com certeza, Duduca! O cara manda muito bem!


reoliveirabass
o nome da musica é "só tinha de ser com você" de Tom Jobim..
particularmente pra mim tbm foi o melhor do show! me emocionei muuuito qnd ele tocou essa musica.. Ebinho Cardoso! muita musicalidade pra um cara só! video

Festa de encerramento do Festival de baixo em São Luis



a festa de encerramento foi nesse casarão antigo onde funciona a escola de música... lugar mágico... sensacional... foram horas de muito som, muito baixo e já muitas saudades...
















sábado, 21 de novembro de 2009

Festival Baixo Brasil - São Luis - MA - dia 3

Ebinho tomando o famoso guaraná Jesus de São Luis... me disseram que lá eles vendem o mesmo tanto que a coca cola...


depois do almoço... pose pra foto...


Ebinho Cardoso
Ebinho Cardoso rindo de umas piadinhas que o público soltou do tipo... me leva pra casa com você... ai ai...

o público ensandecido, em êxtase aplaudindo o belíssimo show de Ebinho Cardoso... detalhe... nesta última noite foram 1600 pessoas... ainda estou me perguntando onde eles arrumam tanta gente que gosta de baixo assim... tem que ensinar a fórmula pra outras cidades...





Pixinga
PX e Groove
Sérgio Groove


Todd, Grant e Jim


opssss... Mauro e Lobo fazendo um lanchinho sem sair do ritmo


sorteio de um baixo amazon basse o sortudo...


Jim e Mauro


momento emoção... os gringos piraram no som do Ebinho... principalmente o Grant... que busca uma onda mais alternativa pra sua música... então Ebinho deu seu baixo pra ele... nem precisa dizer que choraram né?


na balada... todos fazendo o refrão de alguma música que não lembro mais qual era... acho que nessa hora era BEAT IT - com o dialeto oficial dos festivais baixo brasil inspirado no Mauro Sérgio - rhuuhau rhuuhau

na balada depois do festival... o baixista que estava tocando lá... esse aí de camisa branca com o baixo na mão é sensacional... quando eu comentei que o cara é demais o Mauro Sérgio disse que ele foi um dos que participaram da seletiva e foi eliminado... aí eu... ããããã??? Como assim eliminado??? Ele tinha que estar lá... aí é claro... quando acabou o som, fui lá pessoalmente com o Pixinga chama-lo pro próximo festival em São Luis... sem precisar de seletiva...


preciso falar que foi uma noite mágica... maravilhosa... a energia do público, a empatia dos músicos com a plateia foi algo inexplicavel... que se extendeu pra todos os que estavam presentes ali... sentimos a excitação dos sentidos... o entusiasmo emocional... efeito da boa música... da paixão, da alegria de fazer parte dessa história dos festivais de baixo...

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Festival Baixo Brasil - São Luis - MA - dia 2

painel da entrada do teatro onde aconteceu o festival

Edson Bass
Edson Bass com um grupo vocal maravilhoso fez um show muito emocionante



João Paulo - MA


Pixinga com os guerreiros da produção local - Diógenes, Jade e Silas Duarte



Todd Johnson, Grant Stinnett e Jim Stinnett com o baterista sensacional de São Luis Isaías quebrando tudo... ensinamos pro Jim essa expressão "quebra tudo" e ele adorou e não parava mais de repetir "kebaitoudo"


o público da segunda noite aumentou mais ainda... quase 1200 pessoas... dá pra acreditar nisso???
-ganhador da camiseta pezo - um dos nossos apoiadores fiéis, na pessoa de Mauro Zini de
Bento Gonçalves - RS
ganhador do bag da condor


Japona - mais um grande baixista que participou do festival atraves da seletiva - ele tem uma personalidade polêmica, mas seu som, não tem o que discutir... é muito bom... ele tem uma onda própria... o que está cada vez mais difícil encontrar...


Ronaldo Lobo - nosso grande representante do rock instrumental paulistano



Adriano Giffoni encerrando a noite